O problema do Sporting não é o Bruno ou Manuel ou...


 
 
O grande problema do Sporting não é o Bruno, o Manuel ou o Joaquim, mas sim o facto de viver sobre duas realidades distintas que por vezes até se cruzam.
A primeira realidade são os seus rivais e a forma como estes se impuseram não só no desporto como também na sociedade.
A maior prova disto foram as escutas do Apito Dourado e todas as suspeitas que surgiram relacionadas com os lampioes nos últimos anos. Na verdade tudo isso é apenas a ponta do icebergue de uma gigantesca teia de influências e como temos visto os tentáculos chegam inclusivamente a postos que deveriam ser absolutamente inatingíveis.
Para nós sobrou a "história" do Cashball onde se trocam mensagens por Whatsapp a dizer que é para comprar jogo X de andebol mas que depois não vale a pena comprar com o Y porque é canja.
Para terminar esta realidade, um dado interessante: os representantes destes clubes na tv têm todos a mesma linha de actuação e quem não a tem desaparece. Não é Seabra?
Engraçado como a crise do Sporting é comentada sempre por 6 ou 7 opositores assumidos e o único programa de debate sobre a polémica com os lampiões teve como intervenientes o guerra e o malheiro. E porque razão nunca vemos aquele ex-candidato Bruno qualquer coisa Carvalho num canal a comentar estas mesmas polémicas?
A segunda realidade é tudo o que rodeia o Sporting.
Engraçado como se costuma dizer que BdC acha que o clube é seu quando temos um indivíduo, com um poder incalculável na nossa sociedade, que fala como se o clube fosse de facto o seu brinquedo de eleição. E tanta é a fama que tem como sendo o suporte do clube quando ganha, ou ganhava, milhões com o mesmo.
Acusa-se BdC de não conseguir ver um microfone à frente. É um facto e dada a sua responsabilidade considero isso um erro. Mas não deixa de ser um defeito que aparentemente é característica do sportinguista na actualidade. E nem o sportinguista anónimo escapa pois alguns até correm para os microfones da CMtv quanto mais não seja para dizerem que desejam assassinar um presidente. O mesmo canal que no próprio dia decidiu colocar legendas, numa transmissão que não era a sua, para mostrar que um adepto/sócio mandou calar em directo BdC mas que demorou semanas para colocar essas mesmas legendas numa filmagem sua durante o incidente no aeroporto.
Na verdade sempre fomos conotados como um clube de elites, de adeptos "diferentes". Na realidade somos uma feira de vaidades, de interesses e que é facilmente manipulável pois muitos apenas desejam paz.
A actual situação é somente uma pura tentativa de sufoco financeiro para mudança de player no Sporting.
Não é novidade alguma que os nossos rivais destilaram ódio ao actual presidente nos últimos anos. Não é novidade que foi colocada a mão na lama e que muito boa gente está incomodada.
Mesmo dentro de portas, os problemas não têm fim mas a maior parte deles nem sequer é público. Por alguma razão, numa altura em que o clube iria ser mais dos sócios do que dos accionistas aparecem Ricciardis e Álvaros Sobrinhos como principais críticos da actual direcção. Depois destes surgiram uma série de soldadinhos, com ligações umbilicais suspeitas como Rogério Alves, Jaime Marta Soares, Varandas e afins.
Esta situação dos jogadores não é obra do acaso. Eles não acordaram um dia e disseram que estavam fartos do presidente. No fundo são todos Labyad, ganhem ou percam, sejam elogiados ou criticados, o que interessa é o graveto no final do mês. Eles estão perfeitamente a borrifar se o presidente disse que o Sporting não é o Sporting da Covilhã.
No fundo foi aproveitada uma janela de oportunidade para o dito sufoco. Houvesse demissão naquelas semanas e surgia o tal player como messias que impedia as rescisões.
Até porque tal como foi já dito, engraçado como os jogadores acordam mais suados com os pesadelos do que pelo que correram em campo e digam que sentem se inseguros por haver agressores fugidos e exista a possibilidade de se mudarem para um clube a 3 ou 4 km de distância...
Apesar de tudo não ilibo o presidente de culpas. Não o culpo por mexer na lama, caso contrário continuaríamos a ser o clube simpático que não contava para o totobola, mas expôs a sua imagem até ao desgaste total, muitas vezes de forma desnecessária, tal como as respostas aos Cláudios Ramos, Sindicatos de jogadores do Perú, ou paineleiros. Até associações de mulheres.
Em relação ao futebol, entre muitos erros, teve um crucial: não soube ser institucional, não soube ser líder.
Se soubesse sê-lo nunca optaria por comunicação por sms, posts facebook, ou pedidos ao Futre para telefonar a atletas. Nunca pegaria em jogadores ao colo, treinaria junto deles ou até mesmo sentar-se no banco.
Tudo isto enfraqueceu a sua imagem enquanto líder. Uma coisa, tal como os jogadores de volley relataram, é o presidente aparecer no balneário na véspera de um jogo decisivo e ter um discurso de motivação. Outra é o presidente ter uma relação não só diária como demasiado próxima. Extremamente próxima.
Um balneário ficaria em sentido se a figura máxima, com um estilo inatingível,  surgisse uma vez no local e tivesse um discurso de motivação/crítica. Um balneário não irá ligar a um discurso de quem os pega, literalmente ao colo, ou que os trata como sendo uma parte integrante do grupo. E um balneário irá estar totalmente quebrado em termos de respeito pela hierarquia se for alertado por sms ou facebook. Repito, o que é escrito é irrelevante para os jogadores, não os afecta, mas não absorvem, e neste caso bem, a mensagem desenvolvida.
Num qualquer emprego, se alguém lidar com um patrão de forma regular e à vossa frente ele mandar umas c********* e contar piadas a toda a hora, ninguém o levará a sério se ele vos criticar dada a falta de ligação de respeito. E se o fizer pelo facebook e/ou sms e/ou por intermediários que nem pertencem à empresa, então nem vale a pena.
E a isto posso juntar a equipa que rodeou BdC ao longo destes anos.
O maior erro em 2013 foi ter-se rodeado de dinossauros políticos para ganhar algo que seria natural. No primeiro mandato parece que tudo correu às maravilhas mas a realidade não foi essa, e tanto assim não foi que ocorreram demissões.
Em 2017 cometeu o maior erro do seu mandato. Quis promover a união e não só manteve toda a equipa como ainda fez bandeira de elementos de outras listas estarem agora incluídas na sua. O problema foi esse. É muito bom manter se uma equipa,  mas não quando a mesma servia apenas para pavonear-se num programa na SportingTv, seja para apresentar, seja para fazer figuras sensuais, seja para comentar em painéis junto de outras mulheres. Ou manter pesos pesados como o Vicente Moura, que já estava mais virado por o outro lado do que para cá, Caldeiras da Silva que eram verdadeiros esqueletos no CFeD e ou Jaime Marta Soares, o dinossauro dos louvores e aclamações.

Não formou uma equipa, formou somente um grupo. E por muito que os possa criticar e tem imensas razões para isso, não pode esquecer de quem os trouxe para Alvalade e quem sempre os enalteceu ao ponto de os manter. Aliás, com quem andou de mãos dadas no jogo do título em volley, quando este até apresentava umas enormes trombas pelo desconforto?
Resumindo, para terminar, BdC está muito longe de ser o problema do clube. Se é verdade que como muitos dizem, o Sporting não existe só desde 2013 também é verdade a expressão que BdC recuperou: somos o Crónico. Mas o crónico clube dos interesses, dos conflitos, das guerrinhas, dos grupinhos e afins. E por isso mesmo a paz não voltará com a saída de BdC porque existe algo que rodeia o clube.
BdC não é porém vítima,  pois também tem culpas no cartório e cometeu erros, uns naturais e aceitáveis, outros nem tanto. Mas paz só teremos quando eliminarmos tudo o que rodeia o clube e acima de tudo esta mentalidade. Enquanto na maioria dos clubes critica-se a falta de estabilidade por trocar-se muitas vezes de treinador, no Sporting sofremos de um outro mal, temos que ter eleições por tudo e por nada (e neste ponto não há inocentes).
O que me interessa é o Sporting Clube de Portugal e para ser sincero não faço a mínima ideia qual o rumo ou as ideias que o clube deve seguir para resolver este problema. E isso preocupa-me.
Para mim era terminar a reestruturação financeira, para desta forma matar desde logo o sonho de Roquette e irmos a eleições para, de forma legítima, os sonhos escolherem um projecto de raiz.
By "Miudo" ForumSCP



6 comentários:

Anônimo disse...

Tanto escreves que acabas por não dizer nada.....viva o badoch....viva o sportem!!!!

Sportinguista disse...

Anonimo de 12 de junho de 2018 12:18

E tu não argumentas contra o que está escrito, ladras que é o que apenas sabes fazer, os cães como não falam é assim!
Obrigado pela tua visita!

P.S - Nem te deste ao trabalho de veres que a autoria desta publicação é de uma pessoa de fora do blog!
Ranhoso!

Manuel Beites disse...

Bom texto...muito bom!
É evidente que está em curso um aproveitamento por parte das elites ressabiadas e escorraçadas do nosso clube, da comunicação social a quem não convém o estilo de liderança do Sporting e do Benfica que vê aqui uma oportunidade de se desfazer de um incómodo e desviar as atenções para a desgraça em que estão, fazendo, covardemente, todos uso das incontestáveis e lamentáveis escorregadelas mentais em que Bruno de Carvalho incorreu.
Agora, parece-me que encontraram um adversário que ainda não conheciam bem.
Rescisões? Não é o fim do mundo! O jogador bate com a porta, a casa abana mas não cai! Segue-se a batalha judicial e quando os jogadores tiverem que se chegar à frente, que batam à porta de quem os mergulhou neste lodo. E não vai ser assim tão pouco… Quero ver de onde vão sair os milhões com que têm que indeminizar o Sporting Clube de Portugal.
Muitos milhões mesmo. O Podence na ordem dos 10, o Patricio, o WC e o Dost à volta dos 25, o Gelson e o RF para cima dos 30. Total é como se os vendessemos todos por qualquer coisa como 140 milhões. É claro que que vai demorar a encaixar mas de qualquer forma as vendas também não são a pronto.

Na próxima época vamos entrar em todos os jogos com onze mas com gente que quiz ficar e que vai dar tudo, em contraste com as primas donas que se arrastavam em campo.

O Bruno de Carvalho? Ergueu o clube para patamares que suscitaram de novo o nosso orgulho, recuperou as finanças, fez-se respeitar ao níval das negociações, construíu um belo pavilhão e está a instituir um pouco de ordem, modernidade e disciplina num clube que se tem caracterizado pela bagunça e pela moleza.

O meu desprezo para os traidores que cuspiram no prato onde comeram. Desejo-lhes todas as infelicidades.


Manuel Beites

Manuel Beites disse...

….penitencio-me por não ter referido o fantástico desempenho nas modalidades extra futebol sénior masculino. Uma limpeza!!!

Viva o Sporting Clube de Portugal

Anônimo disse...

Mas tu acreditas no Pai Natal? Construiu um pavilhão...a crédito!!! E nem pagou o 1/2 milhão que deve ao primeiro construtor pelo projecto e início de obras (mais um processo de dívidas a empurrar com a barriga). Fez coisas boas sim, mas deitou tudo a perder por causa do seu feitio egomaniaco e da inveja que tem dos jogadores (ganham mais que ele, têm melhores carros, mulheres mais bonitas, etc, etc).

Anônimo disse...

Em relação à parte financeira e não só, vamos falar depois de o artista sair, ai sim vamos saber toda a verdade.