Estoril 0 - Sporting 0...Sem oportunidades não podemos ganhar!



SPORTING: Rui Patrício, Cédric Soares, Maurício, Marcos Rojo, Ivan Piris, William Carvalho, Adrien Silva, André Martins, Carrillo, Fredy Montero e Wilson Eduardo
AO INTERVALO: 0-0
Se este jogo de si já se antevia complicado porque o adversário de hoje é a equipa sensação do campeonato e depois o jogo tem a importância que tem para o Sporting, a equipa parece-me algo presa de movimentos, começou pressionante mas aos poucos foi perdendo o gás, é verdade que em termos de oportunidades, o Sporting acaba por ser a primeira equipa a criar uma grande oportunidade num lance em que Wilson não consegue desfeitear o guarda-redes estorilista e depois a oportunidade do Estoril é uma bola na barra derivado de um lance de bola parada e só de bola parada o Estoril conseguiu colocar a defesa do Sporting em “sobressalto”, o Sporting foi a equipa que mais tempo esteve perto da área adversária e a que melhor futebol mostrou nos primeiros 45 minutos…
Carrillo hoje parece alheado do jogo e é para mim claramente a unidade a menos no onze do Sporting, apostar na entrada de Diego Capel logo no início da 2ªparte seria uma opção a considerar!
Toda a equipa empenhada e concentrada mas pena ter perdido o fulgor inicial em termos de pressão…
Está irritante a atitude de Pedro Proença, o cartão amarelo a Montero é um exemplo disso e algumas faltas por marcar a nosso favor…e Carlos Manuel a comentar o jogo é um filme cómico dentro de um jogo de futebol!
A 2ªparte não foi diferente da 1ªparte, o Sporting não se conseguiu impor no jogo de forma a conseguir se superiorizar ao Estoril, os estorilistas acabam por ser os primeiros a criarem perigo e que oportunidade e Rui Patrício a salvar o Sporting de perder hoje na Amoreira, este lance ocorre já muito perto do fim e só depois disso o Sporting cria a sua oportunidade de golo por intermédio de Rojo, não tão clara como a do Estoril e foi isto a 2ºparte deste jogo!
Carrillo, Adrien, Diego Capel e Montero a passarem claramente ao lado deste jogo e muito se ressentiu a manobra ofensiva do Sporting hoje com a “ausência” de Adrien neste jogo!
Quero lá saber se estamos há dois meses sem sofrer golos, se hoje não perdemos porque não sofremos, é verdade também que não podemos marcar se não criarmos lances de golo!
Se contra o Porto podíamos e merecíamos ganhar claramente o jogo, hoje o empate assenta muito bem neste jogo para mal dos nossos pecados e o Sporting perde uma oportunidade clara de se afastar de um dos outros candidatos ou mesmo dos dois, agora até podemos ficar a dois pontos de um deles…amanhã pede-se empate na Luz!
Mais posse de bola e mais remates não são sinónimos de pontos, pontos são eficácia…estivemos mais tempo por cima no jogo mas não o vencemos!
Fica por marcar uma grande penalidade a nosso favor numa falta clara sobre Montero…já se viram marcar penaltys por faltas idênticas…se a camisola fosse outra o Pedro Proença marcava!
Preocupante estarmos há 3 jogos sem marcar golos?
Claro que devemos estar orgulhosos desta equipa que com poucos recursos está fazer aquilo que a equipa do ano passado quase paga a peso não fez nem metade do que fez esta!
Mas acredito que vamos lutar pelo título até ao final do campeonato!

4 comentários:

Anônimo disse...

Mas alguém ensina aos jogadores para se preocuparem menos com o árbitro e jogar mais? Aburguesaram se muito e correm pouco

Anônimo disse...

É preciso jogar mais e sobretudo marcar...em dois jogos para ganhar perdemos 4 pontos e se assim tivesse sido amanhã calmamente víamos os rivais sem stress qualquer que fosse o resultado, mas enfim novo ano, vida velha...3º lugar à vista!

azedume disse...

O Rei


Os grandes reis ficam na História pelo cognome. No entanto, há um que difere de todos os outros ao ponto de se lhe substituir o nome pelo cognome. Para nós, Rei é Eusébio e Eusébio é um outro nome de Benfica, cujo cognome é Glorioso. É assim que no nosso imaginário o Rei é o Glorioso. É assim que no Benfica se edifica História. Mas este Rei é único, na medida em que não é herdeiro da coroa que ostenta nem deixou herdeiros para a sua coroa. Ele é o Rei único e insubstituível numa corte de vários príncipes e milhões de súbditos. Este Rei não nasceu herói, construiu-se herói ao longo da sua vida e nessa construção ajudou determinantemente o Benfica a transformar-se num Clube de dimensão universal e intemporal. É assim com os que são enormes entre os grandes: edificam-se, edificando um edifício maior do que a dimensão do sonho. Ao vivenciarmos Eusébio deveremos perceber que, muito esporadicamente, a História dá-nos o privilégio de assistir à metamorfose do homem que transcende da sua condição ao ponto de se tornar um mito. Um dia, o homem parte e fica o mito. Quando o que restava de humano partiu no domingo passado, ficou a herança e a responsabilidade dos seus súbditos perceberem que houve uma fase em que Eusébio jogou e ganhou para o Benfica. Fê-lo durante anos, golos, vitórias, lesões e sacrifícios a fio. Agora, é chegada a hora de o Benfica jogar e ganhar pelo Eusébio. Apenas assim os súbditos do Rei continuarão a construir o Glorioso.

Martucho disse...

Concordo e o A Martins e prova disso so reclama jogar que e bom nada.
Carrillo hoje acabou com o que eu gostava dele, pode ir e ja nao me importo, precisamos de um 10 de verdade e de um extremo que decida jogos