A voz do adepto leonino - "Relativamente ao Sporting"


“Penso estar correcto ao afirmar que todos os sportinguistas sócios ou adeptos estão
desiludidos, entristecidos e envergonhados com o actual momento da equipa de futebol
profissional do nosso clube. Por maior que seja o ecletismo do SCP, a maior paixão e
fervor clubístico estão directamente relacionados com o sucesso ou insucesso da mesma.
Sem querer acicatar raivas nem discórdias, cumpre a todos os sportinguistas reflectir
nas causas que nos conduziram ao tremendo abismo e caos em que nos encontramos.
O Caos não me assusta particularmente pois sei que dele resultará naturalmente uma
nova ordem e um novo rumo.
Já quanto ao Abismo é importante analisar as causas que nos conduziram ao mesmo,
para ser possível inflectir o rumo e não voltar a cometer e continuar os mesmos erros.
Na essência e base deste abismo está a importância que a vertente económica
assumiu, sobrepondo-se aos interesses desportivos e aos principios que nortearam a
fundação do nosso clube.
Apesar de sermos um clube formador dos melhores jogadores do Mundo, permitimos
que jogadores como Luís Figo, Simão Sabrosa, Ricardo Quaresma, Cristiano Ronaldo,
Nani, João Moutinho, Varela, entre outros, abandonassem o nosso clube sem
praticamente garantirem títulos desportivos. Alguns deles, inclusive, garantiram e ainda
garantem títulos aos nossos rivais e adversários directos Porto e Benfica. Sobrepôs-se
sempre o interesse económico ao interesse desportivo.
Contudo, apesar desta triste realidade, somos ainda confrontados com uma gestão
económica ruinosa que nos conduziu à falência, não só não conseguimos títulos
desportivos como enfrentamos o total descalabro económico. Pior é impossível.
Não me compete, nem estou particularmente interessado, em apontar o dedo aos
responsáveis de tal descalabro, até porque tal facto só serviria para criar ainda mais
desunião e brigas internas e o que o nosso clube precisa neste momento é de união, de
sportinguismo de todos os seus sócios e adeptos.
Estamos perante uma grave crise que ameaça a continuidade do nosso clube, algo
que me custa a acreditar mas que perante o actual contexto sócio-económico, em que os
valores materiais se sobrepuseram aos valores humanos e às paixões, sou
necessariamente forçado a equacionar.
Ainda para mais quando é mais que óbvio que o nosso clube carece de uma liderança
forte e decidida. Sem querer beliscar o sportinguismo e a boa vontade do nosso actual
presidente, temos que constatar que a sua demissão é inevitável. Ele é sem dúvida o
rosto da continuidade que nos conduziu até esta triste e desesperada situação em que
nos encontramos. Já nenhum sportinguista acredita nele e no seu “programa”. E essa
falta de crença colectiva manifesta-se depois na energia que é transmitida para o exterior
e para o seio da própria equipa de futebol.
Analisando friamente a situação e no que diz respeito à equipa de futebol esta
apresenta-se abúlica, anímica e fisicamente.
Como é que chegámos a esta situação? E como saímos dela?
Comecemos pela situação económico-financeira actual. Temos um passivo estimado
em aproximadamente 250 milhões de euros para fazer face a um activo estimado em 180
milhões de euros, apresentamos portanto um saldo negativo de 70 milhões de euros.
Estamos pois, sem dúvida, em falência técnica.
Chegámos a esta situação porque não cobrámos os devidos dividendos, nem
económicos nem desportivos, da nossa política de formação e gastámos fortunas em
contratações económico-desportivas mal conseguidas ou ruinosas. Acho que este facto é
inegável.
Analisando o percurso das duas últimas direcções como exemplo, ambas ruinosas,
presididas pelo Dr. José Eduardo Bettencourt e a actual do Eng.º Godinho Lopes
constatamos que passámos do 8 para o 80. Se a primeira pecava pela falta de ambição e
incapacidade de investimento em algumas contratações de qualidade inquestionável e
indispensáveis para darmos o salto para a conquista de títulos, a segunda apostou na
menorização dos nossos activos de formação e na contratação de um magote de
jogadores estrangeiros e sem cultura clubística, de valor questionável e sem provas
dadas. Se a primeira era excessivamente prudente, esta última foi excessivamente
aventureira.
Junta-se a este facto a alienação de parte dos direitos desportivos dos passes dos
jogadores do nosso clube a fundos estrangeiros e a empresários diversos, alguns por
valores inferiores àqueles que o Sporting pagou, o que naturalmente nos leva a
questionar a seriedade destes negócios e os interesses que estão por detrás dos
mesmos.
Para além do inquestionável prejuízo financeiro assumido, tornou-se, assim também,
o clube refém dos interesses económicos de grupos e fundos para os quais o futebol é um
mero negócio, e que não se preocupam minimamente com os prejuizos desportivos que
possam causar ao clube.
Para concluir esta breve análise consta que o Sporting está aprisionado e cativo
pelos bancos, nomeadamente pelo BES e pelo BCP, atendendo a que o financiamento
deste descalbro e abismo financeiro para onde nos conduziram foi suportado e financiado
por estas entidades.
Como todos sabemos bem, tem sido prática corrente nestes últimos anos de crise os
bancos recusarem as reestruturações e renegociações das dívidas, de forma a que se
torne viável e possível o seu pagamento e cumprimento, e optarem por proporem
aumentos e reforços de hipotecas e garantias, levando as empresas ao suícidio.
Naturalmente que o fazem de forma puramente interesseira e especulativa e com todas
as garantias legais e económicas do seu lado. Pelo que pude apurar as dívidas às
entidades bancárias rondam os 120 milhões de euros, valor ainda inferior aos activos do
clube, o que lhes permite uma certa margem de segurança financeira e também lhes
garante ter uma constante guilhotina sobre a cabeça do clube. Procuram assim os Bancos
recuperar, à custa daqueles que foram sérios e lhes deram garantias válidas, da sua má
gestão e investimentos ruinosos que todos os Portugueses têm “solidariamente” pago.
Nenhuma direcção foi capaz de fazer frente e ter a coragem de dizer não perante os
acordos provavelmente usurários e ruinosos que lhe têm sido propostos pelas entidades
bancárias, optaram sempre por um chutar da bola para a frente, aumentando assim o
passivo para fazerem face a situações pontuais de tesouraria, sem saberem como iriam
conseguir receitas para garantir esse cumprimento, ou melhor assumindo que essas
receitas surgiriam através do desempenho desportivo que nenhuma delas conseguiu.
Aventuraram-se, optaram por acreditar que todas as bolas iriam entrar e que nenhuma
bateria na trave ou no poste, seria falha de direcção ou eventualmente poderia ser
defendida pelo guarda-redes adversário. Tanta ingenuidade leva-nos também a
questionar até que ponto é que os interesses do clube foram salvaguardados, até que
ponto é que as direcções salvaguardaram preferencialmente os interesses dos bancos em
detrimento dos interesses do clube. Estariam verdadeiramente a servir o clube ou
estariam a servir outros interesses?
Embora esta constatação seja inevitável, mais uma vez afirmo que não é esse o ponto
fulcral da questão, deve ser referido e interiorizado para que não se repita e nada mais. O
importante agora, perante esta realidade, é encontrar soluções que viabilizem o nosso
clube e a sua continuidade e que o reponham no lugar que merece e para o qual foi
fundado.
Quais são então as soluções?
Numa primeira fase é importante e imprescindível assumir que é impossível assumir os
compromissos económicos contratualizados pelas anteriores direcções no prazo e nas
condições anteriormente acordadas, para todos os efeitos estamos em falência técnica.
Começando naturalmente pelos nossos credores preferenciais, os bancos, devemos
propor uma reestruturação da dívida, alargando o seu prazo de pagamento para
cinquenta anos, com uma taxa fixa de 5% e pedindo um período de carência de
amortização de capital e juros nos primeiros 5 anos.
Baixar a massa salarial base da equipa profissional de futebol, aumentando
consideravelmente os variáveis consoante os resultados desportivos atingidos pelo clube.
Os ordenados serão assim directamente proporcionais aos resultados desportivos obtidos
numa proporção justa e directa à contribuição individual de cada um. Não pagaremos uma
base equivalente aos nossos rivais Porto e Benfica mas superaremos os seus
vencimentos e prémios se atingirmos as metas desportivas de vitória a que nos
propomos.
Estabelecer uma percentagem mínima de 70% de posse pelo clube dos direitos
desportivos do jogador para que o mesmo possa alinhar pela equipa principal do clube.
Acabando assim com influências externas e outros interesses económicos instalados na
constituição normal da equipa.
Mobilização e pedido de apoio financeiro extraordinário aos sócios e adeptos do
clube, numa operação como o SLB teve que fazer há uns anos e que foi designada, e
bem, como operação coração, porque o que nos move é sempre a paixão clubistica e não
os pretensos dividendos económicos. Numa estimativa de 2,5 milhões de adeptos do
Sporting, se todos contribuirmos, na justa medida e disponibilidade económica de cada
um, não me parece desajustado prever que uma média final de 20€ por adepto é
perfeitamente possível, e tal significaria um encaixe imediato de 50 milhões de euros que
nos permitiriam, em conjunto com as outras medidas atrás referidas, um certo folêgo
económico, mais que suficiente para ultrapassar esta crise.
Não me parece que estas soluções, agora apresentadas, representem a descoberta
da pólvora. De alguma forma todos os sportinguistas já com certeza as equacionaram e
desejam vê-las em acção, estando, de facto, surpresos por nunca as mesmas nos terem
ainda sido propostas...
O Sporting é um clube dos seus sócios e aficionados, aqueles que são sportinguistas
estão disponíveis, desejosos e capazes para participar e auxiliar na inevitável mudança
que o clube necessita, assim nos seja dada essa oportunidade e de bom grado
contribuiremos. A solução não passa por qualquer mecenas ou messias que traga o
dinheiro para resolver os problemas eventuais de tesouraria e tomar conta do clube pois
nunca o clube será dele, o clube é nosso, está-nos no sangue e está mais que na altura
de o assumirmos e demonstrá-lo.
Passemos agora à análise da realidade desportiva da equipa de futebol.
Existe um problema mais que óbvio de preparação fisíca, os jogadores não aguentam o
ritmo de jogo durante os 90 minutos, as lesões tem sido uma constante em todo o plantel,
falta capacidade de arranque, velocidade, força e resistência à maioria dos jogadores.
Mais do que a duvidosa valia técnico-táctica dos jogadores do plantel actual, existem
de facto alguns jogadores que não têm qualidade para representar um clube com as
nossas ambições e pergaminho, existe um desfasamento entre a táctica implementada e
as características dos jogadores.
Um clube como o SCP, que joga sempre ou quase sempre para ganhar, tem que
alinhar com uma defesa subida, para acentuar a pressão e encurtar a distância entre
linhas. Ora os nossos defesas, particularmente os centrais, são jogadores com pouca
velocidade e são inúmeras vezes batidos com bolas nas suas costas, por equipas
menores que jogam fechados atrás e em contra-ataque.
O nosso plantel seria bom para uma equipa de menor ambição, que jogaria mais
recuada, dando a iniciativa de jogo ao adversário e jogando em contra ataque pois temos
avançados rápidos. Aliás o sucesso que o Sá Pinto teve na Liga Europa do ano passado,
assentou bastante nesse estilo de jogo, mas depois perante adversários mais fracos as
dificuldades são enormes como se viu pela forma como perdemos a Taça de Portugal e
não conseguimos melhor que um 4º lugar no campeonato.
O actual treinador, já consciente desta situação, tem optado por manter a linha
defensiva mais recuada, obrigando os extremos e os médios a correrias constantes, o
que, associado ao mau estado físico e anímico da equipa, acaba por também não resultar.
Mais do que criticar a qualidade dos jogadores e dos treinadores, devemos isso sim,
tomar consciência que este plantel está mal estruturado para os propósitos e os
objectivos que um clube como o Sporting pretende e deve alcançar.
Que fazer então?
Atendendo ao adiantado da época e às parcas ambições que nos restam (um muito
difícil e distante acesso à Liga dos Campeões e uma Taça menor como é a da Liga), não
se justifica um investimento económico substancial para reforçar a equipa, ainda para
mais com os inerentes riscos de contratações falhadas ou adaptações não conseguidas
mas temos que naturalmente fazer pequenas e necessárias correcções na equipa técnica
e no plantel.
Devemos começar pela substituição do preparador físico. Contratar alguém com
inquestionáveis provas dadas e que seja capaz de recuperar os índices fisícos dos
jogadores para patamares minimamente aceitáveis.
Não sendo viável, neste momento, constituir uma equipa competitiva como
desejamos com base na regra anteriormente proposta de nenhum jogador alinhar pela
equipa principal se o clube não for detentor de 70% dos seus direitos desportivos,
deixaremos tal tarefa para a próxima época, altura em que poderemos negociar com os
fundos a readquirição de parte desses activos para aqueles jogadores que eventualmente
o justificarem e consoante os resultados alcançados.
O futuro do Sporting passa naturalmente pela sua formação e pelo potenciar
desses activos, nessa perspectiva deveremos ter pelo menos no plantel principal 12
jogadores da formação (metade). Neste momento temos apenas cinco, o Rui Patrício, o
Cédric e Carriço, o Adrien e o André Martins. Deveremos pois chamar à equipa principal
oriundos da equpa B e de forma definitiva o Dier, o Tiago Ilori, o Ricardo Esgaio, o Betinho
e o João Mário. Promover o regresso do Wilson Eduardo (a não ser que nos
emprestassem o Van Vossen com cláusula de opção!) e contratar o Quaresma em
Janeiro.
Do actual plantel deveremos, para dar lugar aos mais novos, encontrar colocação
para o Pranjic, para o Gelson Fernandes, para o Elias, para o Xandão, para o Izmailov e
para o Pereirinha. Particularizando:
O Pranjic deve ser um excelente profissional e um homem de grande carácter ou
não seria uma das primeiras escolhas dos diversos treinadores que têm passado
pelo clube, contudo não é nenhum fora-de-série e é um jogador com um potencial
muito reduzido de evolução ou de poder proporcionar qualquer retorno financeiro
atendendo à sua idade, encontra-se assim a ocupar uma posição que deveria ser
entregue ao Quaresma, ao Labyad ou ao André Martins que têm boas qualidades
técnicas e um grande potencial de evolução.
O Gelson Fernandes é um jogador de grande entrega mas com limitações técnicas
visíveis e inquestionáveis que nada acrescenta à equipa.
O Elias é um excelente jogador, com grande capacidade técnica, contudo é um
jogador pouco estável emocionalmente, é o género de jogador que encaixa que
nem uma luva numa equipa forte, estou seguro que se jogasse no Porto seria um
dos melhores da liga, infelizmente, numa equipa em formação ou em instabilidade
como a nossa tem sido, deixa-se contagiar, falta-lhe confiança e apaga-se. Além
disso o investimento económico foi avultado e a sua desvalorização, numa equipa
como a nossa é preocupante. A sua saída baixaria consideravelmente a folha
salarial e permitiria que o Adrien ou o próprio João Mário conquistassem mais
rapidamente o seu espaço de afirmação.
O Xandão é outro jogador que não acrescenta muito à equipa pois a sua
irregularidade exibicional tem sido uma constante. Numa equipa motivada pode
tornar-se um bom jogador mas numa equipa como a nossa actual, animicamente
de rastos, as suas falhas e desatenções são cada vez mais frequentes, falta-lhe
estabilidade emocional para dar a volta a este período de crise que atravessamos,
além disso a sua dispensa daria oportunidade à afirmação do Dier ou doTiago Ilori,
que são bastante mais fortes e velozes e a nossa defesa precisa de mais força e
velocidade.
O Izmailov é técnica e tácticamente o nosso melhor jogador mas nunca joga. Há
mais de dois anos que o homem quer ir embora, é como o Moutinho: quer ir ganhar
títulos! Não há um pingo de Sportinguismo na sua alma apesar dos anos em que já
representa o clube. Não é um líder, nem um elemento mobilizador ou galvanizador,
joga bem se a equipa estiver a jogar bem mas não puxa por ela. Se o homem quer
ir para o Porto, deixem-no ir! Lá, acredito que fará óptima figura, será um suplente
ou quem sabe titular de luxo. Ajudaremos também assim o Porto a conquistar mais
um título o que, por mais que nos custe, sempre é melhor do que ver os nossos
rivais benfiquistas ganhá-lo. Ainda para mais depois do vexame e da humilhação a
que temos sido sujeitos depois desta última copiosa derrota em casa. Acho que
nem quando eles tiveram o Vale e Azevedo à frente dos destinos do clube os
enxovalhámos tanto como eles têm feito agora. Uma verdadeira falta de nível! Até
o Eusébio... Garantam é nesta operação o regresso do Quaresma. O Porto neste
momento chega-se à frente, sabe que precisa também da nossa energia e ajuda
para vencer o campeonato, as coisas estão muito renhidas, viram o último penalty
e expulsão do SLB contra o Marítimo?
Quanto ao Pereirinha, penso que já esgotou todas as oportunidades de afirmação
que lhe têm sido concedidas, por qualquer razão que desconheço não tem
conseguido provar o enorme potencial que todos lhe reconheciam, há que dar
portanto espaço e oportunidade a outros.
E por aqui me fico. Sei que alguns vão questionar o regresso do Quaresma, mas o
seu regresso é animicamente positivo para o nosso clube. É um regresso a casa de um
dos nossos melhores talentos da formação. Damos-lhe assim também uma oportunidade
de retribuír a nossa enorme contribuição para o sucesso da sua carreira. E o Quaresma é
um líder, um elemento galvanizador, precisamos bastante dele neste momento, não temos
nenhum na equipa... E até pelo simbolismo de achar que um dia poderemos assistir
também ao regresso do Ronaldo e do Nani, por exemplo... Que eles venham a retribuir o
amor que receberam do clube, terminando aqui a sua carreira, dando a oportunidade a
todos os sportinguistas de os voltarem a ver envergar a camisola do seu clube. Isto sim
seria um corolário perfeito para a nossa política de formação. Jovens em início de
carrreira a receberem os ensinamentos dos seus ídolos, dos seus melhores exemplos, a
jogarem com eles, adquirindo as suas experiências, no trilho do seu sucesso.
Formaremos seguramente melhores jogadores e homens e tornar-nos-emos
necessariamente mais competitivos.
Seria bem melhor que o rumo que a nossa formação tem tomado criando alguns
mercenários. Recordo que o Paulo Futre e o Luís Figo não acabaram as suas carreiras no
clube e que o Simão Sabrosa e o João Moutinho tenho sérias esperanças que nunca o
venham a fazer. Claro que o problema não são eles mas sim as escolas e os dirigentes
que os formaram e que também não são culpados pois seguiam uma política económica
que lhes era transmitida pelas lideranças, que por sua vez apenas seguiam o rumo
natural da ordem do Mundo, numa febre de capitalismo doentio. Está nas nossas mãos
mudar isso, debelar essa doença que degenerou em cancro, acabar com essas células
cancerígenas e recomeçar.
No decurso deste texto, e por força do seu percurso, compreendi finalmente porque é
que o Porto tem ganho 80% dos títulos no presente século. Estima-se que o SCP tem 2,5
milhões de adeptos, que o Porto já alcançou a soma de 2,8 milhões e que o SLB tem 3,8
milhões. Face a este números seria de supor que o Benfica fosse invariavelmente líder e
só assim não é porque o SCP acaba por se unir invariavelmente ao Porto... Por força da
nossa fraqueza, porque não conseguimos ser competitivos, temos apoiado o Porto contra
o Benfica, e assim as duas energias juntas Sporting e Porto ganham à do Benfica. Talvez
quando o Benfica acordar para a realidade, quando perceber a estratégia do grande Pinto
da Costa, um verdadeiro enrabador, perdoem-me a expressão, pensará duas vezes antes
de formular estes ataques ao nosso clube. Temos assumido, sem dúvida uma atitude
subalterna, agimos como apontadores, como auxiliares, afastamos as nalgas do Benfica,
para o Porto os poder encavar.
No que me diz respeito eu cá como Sportinguista já estou farto, também quero gozar
de vez em quando. Mantendo um certo respeito e hierarquia de forças, nesta fase do
campeonato, já me satisfaria com um 4-3-3 (SLB-SCP-FCB) ou um 4-4-2 (SLB-FCPSCP),
aí já um bocado dorido, agora 8-2-0 (FCP-SLB-SCP), só se for masoquista ou
maluco! Então agora nunca gozo?!
Parece-me óbvio que todos os sportinguistas estão de acordo! Já chega! Agora quem
é que quer ganhar este campeonato? SLB ou FCB? O próximo é nosso! Isso é a base
para fazer qualquer acordo! 3º lugar esta época e campeonato para o ano (E já agora a
Taça da Liga esta época, só para começarmos a ganhar algum ânimo...)! Convém pois
negociar com os nossos rivais e ver quem nos propõe a melhor oferta. Com a
contingência porém, para este ano, de que se o nosso aliado for o SLB, está sujeito a um
pedido público de desculpas e a uma eventual goleada em casa, foram longe demais...
Até o Eusébio!...
Neste momento temos que tomar decisões no curto prazo. Ninguém sabe o que o
futuro nos reserva. E nós já não temos mais nada a perder... Sofremos a suprema
humilhação de o Presidente do SLB vir a nossa casa, e depois de nos infligir uma justa e
inequívoca derrota, chamar o nosso Presidente de Aldrabão! Dentro do nosso território,
vejam lá a ousadia! E pior que tudo!... Assistir à reacção do nosso Presidente que não lhe
foi aos fagotes! Que engoliu aquela afronta em casa! Que veio prestar declarações para
dizer que não baixava ao nível, como um mariquinhas, um cobarde! Que vergonha! Este
não é o meu sporting... Isto não sou eu...Não me revejo... Eu cá penso ser um Leão!
Comia-te vivo!...
O problema, meus caros, é que o Presidente do SLB pode ter razão. Todos nós
sportinguistas, ainda para mais depois da reacção do nosso Presidente, sentimos no
intímo que é muito provável que ele tenha dito a verdade. Aliás, para além de acharmos
que o nosso Presidente pode ser um Adrabão, agora estamos confrontados com a certeza
de ele ser um banana, um cobarde! É mau demais... Não há ânimo que resista!
Espero pois que o Eng.º Godinho Lopes, com o respeito que me merece, e sem
querer de alguma forma atentar contra o seu nome ou contra a sua honra, não questiono
pois o seu sportinguismo e acredito que, dentro das suas possibilidades e limitações, as
suas intenções foram sempre as melhores, se demita e convoque eleições para princípios
de Janeiro!
E que o faça já, na sequência do próximo jogo com o Marítimo para a Taça da Liga,
pois é muito provável que o Sporting vença esse jogo, atendendo ao desempenho ciclico
do actual treinador: derrota, empate, vitória... Saíria assim com uma vitória, deixando em
aberto um espirito de sucesso para o futuro para o qual ele também, ao demitir-se,
contribuíra... Permitindo também à equipa iniciar um novo ciclo, diferente do actual, que
nos pemitisse regressar a algumas vitórias consecutivas... Peço-lhe pois que não
comprometa mais o futuro desportivo e financeiro do clube com tomadas de decisões
improfícuas e desprovidas de rumo. A maioria dos adeptos sportinguistas já deseja que o
clube perca para que o seu presidente se demita, é impossível contrariar esta energia, por
favor, se é sportinguista, demita-se!
No que diz respeito ao treinador, não vejo razões para não lhe ser dada a
oportunidade de realizar até ao final os objectivos para os quais foi contratado, alcançar o
3º lugar e conquistar a Taça da Liga. Assim ele cumpra os objectivos e terá a devida
recompensa e reconhecimento por ter tido a coragem de pegar na equipa do Sporting no
momento actual em que se encontra, temos que lhe dar o mérito da coragem, e coragem
é uma característica imprescindível num Leão! Não chega mas ajuda muito... O problema
do Sporting não se centra no seu treinador nem jogadores, mas sim na sua liderança e
ausência de rumo.
Vou aproveitar para deixar também aqui uma palavra de agradecimento ao Sá
Pinto pela sua enorme coragem e sportinguismo. O Sá Pinto foi, no meu entender, a
última reserva de fôlego sportinguista, conseguiu unir novamente a energia do clube
apesar do balão ter rebentado com a derrota na final da taça. Essa derrota, por tão
inesperada e tão fora de sentido, só veio reforçar a necessidade de mudança de liderança
e de rumo do nosso clube. Era inevitável. Não foi o Sá Pinto que perdeu a final da taça, foi
o Eng.º Godinho Lopes e a continuidade daquele projecto ruinoso. Estou seguro que o Sá
Pinto, pelo seu inquestionável sportinguismo, pela sua capacidade de transmitir e
encarnar a mística sportinguista, por ser um verdadeiro Leão, virá, mais tarde ao mais
cedo, a ser um exemplo da nossa escola de formação de treinadores, algo que ele
provavelmente dará início num futuro próximo... Para que isso se torne uma realidade
mais próxima deveríamos reconduzi-lo ao comando da equipa B, se o seu enorme
sportinguismo e amor ao clube lhe permitir encarar tal facto não como uma despromoção
mas como uma continuidade, um presente e um futuro...
Para concluir, temos que ser optimistas, realistas e activos.
Não precisamos de um Messias, basta-nos alguém que se apresente com um
programa dentro destas ideias e desta dinâmica para poder reconduzir o nosso clube às
vitórias Temos que fazer uma inevitável operação coração, mas sem nenhuma vergonha
e com adesão total, o Benfica também já fez! E depois o coração, o nosso amor ao clube,
é o melhor que temos, é isso que nos mantém unidos e dessa forma indestrutíveis,
capazes de arcar e responder a qualquer ataque. Podemos ser criativos e, utilizando a
experiência (falhada) dos nossos rivais aliada à nossa qualidade de amor ao clube,
demonstrar a nossa força e superioridade alcançando excelentes e inesperados
resultados. Não temos pois que ter medo nem estar receosos. Essa coisa lançado pelos
médias do fim do clube é uma fantasia irrealizável promovida pelos nossos inimigos que
nos creem básicos e analfabrutos.
Inevitavelmente acabo por comparar a realidade actual do nosso clube à
realidade actual do nosso País. Como se fossem um espelho, vimo-los ambos
agonizantes e os seus líderes a dizerem-nos que, se eles saírem e alguém tentar mudar
de rumo, vai ser o fim do Clube, do País, do Mundo! Aos quais eu tenho inevitavelmente
que responder: Já chega, pior que isto é impossível! Acham que somos alguns
bananas??!
Somos Leões! Comemo-los vivos!
A verdade é que cresci e vivi nos arredores do saudoso estádio José de Alvalade,
almoçava muitas vezes na churrasqueira do campo grande antes dos jogos realizados no
Domingo à tarde (um saudoso programa de Domingo para a família que também foi
praticamente aniquilado por força dos interesses económicos das transmissões
televisivas), pratiquei no clube Andebol, Ténis de mesa, Natação (na antiga piscina do
campo grande, agora ao abandono) e Boxe (com o grande Mestre Ferraz), recuso-me
pois a aceitar de ânimo leve a anunciada extinção do nosso Sporting Clube de Portugal!
Espero pois que os grupos organizados de sócios e adeptos consigam fazer valer
a sua força e enorme sportinguismo junto desta depauperada, frágil e amorfa direcção,
num sentido de recuperar o clube e trazê-lo para o lugar que merece nem que seja
preciso comê-los vivos!...
Força SPORTING!
Luís Leal de Oliveira”

13 comentários:

RouboCopo disse...

Enquanto virem no FC Porto um aliado e no Benfica a origem de todo o mal, nunca se vão recompor!!

Vejam por exemplo: Tirsense, Leça, Belenenses, Salgueiros e Boavista (com a gestão dos Loureiros)

Todos grandes amigos do Porto. Todos o ajudaram... e agora onde estão?

Querem que o Sporting seja o próximo?
Estão dispostos a sacrificar o vosso clube do coração para que o Benfica não ganhe?
É mais grave o Sporting perder ou o Benfica ganhar?

manuelst disse...

Por força da
nossa fraqueza, porque não conseguimos ser competitivos, temos apoiado o Porto contra
o Benfica, e assim as duas energias juntas Sporting e Porto ganham à do Benfica.


É uma ideia errada e, um dos principais erros do Sporting/Sportinguistas. Um clube como o Sporting não pode e não deve nos momentos de dificuldades apoiar um dos grandes rivais do clube. Ter boas relações com os dirigentes dos clubes rivais é uma coisa, outra bem diferente é "baixar as calças" perante eles.

Nos últimos anos o que tem acontecido é que, quando o Sporting já não tem hipóteses de ser campeão a ideia que dão é que o importante é tirar pontos ao Benfica, o importante é o Benfica não ser campeão. E depois no fim, depois de tanto apoio, depois do porto ser campeão, o Sporting leva com uma "facada nas costas" por quem menos se espera (João Moutinho) no Porto e vamos ver se não acontece o mesmo com o Izmailov.

Anônimo disse...

Tudo ia bem até a parte do FCP... Se há clube que nos tem prejudicado, que nos tem roubado, enganado e aldrabado é o F.C.P!!! A excelência da gestão do FCP não passa na realidade de um embuste perpetuado por um conjunto de "chicos-espertos" que roubam, agridem, enganam e manipulam a seu belo prazer. Ver o clube do meu coração associado a estes corruptos indigna-me. Primeiro porque me dá nojo, segundo porque sei que vamos ser ludibriados. Vejam o Moutinho. Há quantos anos atrás o presidente do FCP disse que o Moutinho era um jogador à Porto? Pelo menos o Benfica sei que é: o nosso rival. E sei também o que espero. Agora do FCP?!?! São os nossos falsos amigos que tudo o que querem é ver-nos definhar e morrer...

Anônimo disse...

Um enormeeeeeee testamento, sem dizer nada de substancial.

Ideias parvas como a operação coração (Supor que 100% dos sportinguistas iam contribuir é um disparate pegado, bem como a média de 20€), ou uma avaliação à lá Football Manager dos jogadores do plantel são alguns dos pontos altos deste disparate.

Sportinguista, pf filtra melhor a qualidade dos textos. Isto quase que dá vontade de um gajo cometer suicidio ou votar no GL outra vez.

Anônimo disse...

Aliados do Porto para encavar o Benfica...essa é uma das (muitas) razões que contribuiram para o estado a que o sporting chegou...de resto algumas medidas propostas podem ser boas, mas alguém acredita que se conseguem renegociar linhas com o BES e BCP e tranformá-las em linhas a 50 anos com taxas fixas??? Só quem não conheçe os meandros...(o dinheiro colocado foi pedido à banca estrangeira e essa nunca aceitará uma renegociação nesses termos!)
Acho difícil por outro lado, que atá Fevereiro se consigam os 12.5Milhões necessários para o clube manter os 50.5% do capital da SAD...portanto faltam cerca de 60 dias para se tomar decisões...

Bruno Renato disse...

Tal como foi dito por Luís Leal de Oliveira, poderão haver situações com as quais não concordamos (no meu caso a contratação do Quaresma, questiono eu também o seu sportinguismo e também a sua capacidade de liderança, à imagem daquilo que o diz de Figo, Futre, Simão ou Moutinho, também incluo Quaresma no lote, um homem que sempre prezou mais a questão capitalista do que propriamente o amor à camisola, e basta ver o percurso dele até acabar no grande Besiktas ao qual chegou levado pela tentação) mas de resto gostaria de deixar aqui o meu aplauso à crua análise que fez ao presente momento do nosso Clube! É pena o clube não ser realmente nosso! É pena continuarem sempre os interesses a manobrar os fios que regem o Sporting! É pena que pessoas com ideias boas não sejam ouvidas apenas porque não têm a barriga grande e os bolsos pesados! E pronto, tenho dito e já me começo a dispersar! Uma vez mais o meu aplauso!

Anônimo disse...

http://crimedigoeu.wordpress.com/2012/12/18/acusacao-a-paulo-pereira-cristovao-pode-penalizar-ainda-mais-o-sporting-na-tabela-classificativa/

Anônimo disse...

Manuel Serrão adepto do FCP, "Gostava que o Sporting acaba-se, assim o FCP ficava com mais adeptos.

Anônimo disse...

nao li

Anônimo disse...

texto gigante e palerma.

Francisco disse...

O SCP com este 11 até ao final da época ficava em 4º
Marcelo; Arias, Dyer, Carriço, insua, elias, Adrien, André martins, Capel, Carrilho, Wolfs.

Em Janeiro temos de vender Patrício a partir de 15 milhões (necessidade urgente de dinheiro), ou elias se alguém der pelo menos 5 milhões (é bom jogador ao contrário do que dizem e só não joga mais porque joga ao lado de cepos).
Em saldos vender Bolo de arroz, Gelson, Xandão, pranic, Rojo.

Trocar Ismaelov por Rolando com o Porto.

Contratar 0, ou apenas um jogador de grande nível (médio ofensivo, avançado, ou central.

Anônimo disse...

falta nos...liedson..

Anônimo disse...

Como portista e estudante de economia achei este post super divertido. Empréstimos a 50 anos a taxa fixa? 20 euros por sportinguita? 70% da posse pelo clube dos direitos desportivos de jogadores? Com que dinheiro? Tal como foi dito o clube está em falência técnica. Mas talvez se venderem o estádio ao porto consiguam isso. Assim os nossos adpetos alfacinhas não tinham que se deslocar tanto para ver o porto a jogar em casa e o sporting talvez em 2015 fosse campeão. Resta saber de que liga e divisão.